Hipotireoidismo

A tireóide é uma glândula localizada na parte anterior do pescoço. Ela produz os hormônios T3 e T4, que são lançados na corrente sanguínea e chegam a todas as partes do corpo. Estes hormônios são fundamentais para o bom funcionamento de diversos órgãos.

A diminuição da produção dos hormônios da tireoide é chamada de hipotireoidismo. A causa mais frequente no nosso meio é a tireoidite de Hashimoto, que consiste em uma inflamação crônica de origem autoimune, ou seja, causada por células do nosso sistema de defesa. Estas células passam a reconhecer a tireoide como algo “estranho”, induzindo um processo inflamatório que pode levar à destruição da glândula. Desta forma, ela se torna incapaz de manter a produção hormonal normal. Esta alteração é mais comum em mulheres, principalmente após os 35 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade.

Os principais sintomas são fraqueza, cansaço, sonolência, alteração do raciocínio e da memória, queda de cabelo, pele seca, sensibilidade excessiva ao frio, edema ou “inchaço”, ganho de peso, alterações menstruais e constipação intestinal. Estes sintomas não são exclusivos do hipotireoidismo, ou seja, outras condições podem resultar em um quadro clínico semelhante. Portanto, para o correto diagnóstico do hipotireoidismo é necessária a dosagem dos hormônios no sangue. O exame mais sensível é o TSH, que não é um hormônio produzido pela tireoide, mas é responsável por estimulá-la. Quando ela não está trabalhando adequadamente, o TSH torna-se aumentado.

Se a alteração for confirmada, o tratamento é feito com o uso diário de levotiroxina (que é o próprio hormônio da tireoide), ingerida em jejum. A dose é variável e deve ser determinada pelo médico. Com o controle adequado, a pessoa que tem hipotireoidismo pode levar uma vida completamente normal.

 

 

Dra. Simone van de Sande Lee
Doutora em Clínica Médica pela UNICAMP
Médica Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Prof. Endocrinologia – UFSC

2 respostas
  1. Sudarshan
    Sudarshan says:

    Elaine C.M.H. Hashimoto disse:Eu adorei, mais um canal de comunicação com quem sempre pensa no melhor para seus pacientes e amigos. Espero que poste mais sobre hipotireoidismo também. Bjs

    Responder
  2. Vitoria Pinheiro
    Vitoria Pinheiro says:

    Olá, Dra Simone!
    Gostaria de saber se você tem acesso ao número/ índice de pessoas com hipotireoidismo na capital ou região, aqui em SC?!
    Sou estudante de Naturologia da UNISUL e estou fazendo uma Pesquisa sobre a ação do Floral de Bach Hornbeam, em casos de pessoas com hipotireoidismo. Você indicaria algum lugar para eu aplicar a pesquisa? Teria interesse em acompanhá-la?
    Grata desde já, aguardo algum retorno 🙂

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *