Como procurar um especialista?

A formação médica especializada compreende várias etapas e muitas vezes, para alguém que não atua na área da saúde, analisar a formação do profissional não é uma tarefa fácil.

O curso de medicina no Brasil tem duração de seis anos. O profissional graduado é chamado médico “clínico geral” ou “generalista”. Se optar por seguir uma especialidade, o médico deve continuar sua formação por mais alguns anos, geralmente cursando uma residência médica (ou estágios similares). A residência é um período de aprendizado em serviço, em que o médico estuda e  trabalha em um centro de referência na área, em tempo integral e sob supervisão de especialistas.

No caso da endocrinologia, por exemplo, o profissional precisa passar por dois anos de residência ou estágio em clínica médica (que engloba todas as áreas clínicas referentes à saúde do adulto), para depois fazer mais dois anos de residência ou estágio em endocrinologia e metabologia.

Para obter o Título de Especialista, existem apenas dois caminhos possíveis: por residência médica reconhecida pela Comissão Nacional de Residência Médica e/ou por meio de uma prova aplicada pelas sociedades de especialidades filiadas à Associação Médica Brasileira. Para prestar a prova, é necessário cumprir alguns requisitos estabelecidos por cada sociedade. O simples fato de ser membro de uma sociedade não qualifica o médico como especialista.

Após a obtenção do título, este deve ser registrado no Conselho Regional de Medicina, gerando um número de RQE – Registro de Qualificação de Especialista.

De acordo com a resolução do Conselho Federal de Medicina 1.974/11, a divulgação de especialidade e/ou area de atuação deve se acompanhar, obrigatoriamente, do número de registro de qualificação de especialista (RQE). Este registro garante que o profissional cumpriu as etapas necessárias para a formação de um especialista. Na página dos conselhos regionais de medicina, como o CREMESC*, existe um recurso de busca de médicos em que é possível confirmar a(s) especialidade(s) e registro(s) do médico, bastando inserir o nome ou o CRM.

O médico pode ainda complementar sua formação em outros níveis. O mestrado e o doutorado, por exemplo, são geralmente procurados por profissionais vinculados a instituições acadêmicas ou que desejam seguir esta carreira, mas não são obrigatórios para a formação do especialista.

É fundamental que o médico permaneça em constante atualização, para acompanhar as frequentes mudanças no conhecimento científico sobre a sua área de estudo.

Alguns profissionais disponibilizam seu currículo em plataformas virtuais, como por exemplo, a Plataforma Lattes** (não exclusiva para médicos), que contém dados sobre a formação, títulos, locais de trabalho, produção científica, participação em eventos, entre outras informações.

Escolher um médico é um passo decisivo no cuidado com a sua saúde. Ao escolher um especialista, busque referências e certifique-se de que, além de lhe dar a devida atenção, ele possua adequada formação técnica.

* http://www.cremesc.org.br/buscamedico.jsp

** http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/busca.do?metodo=apresentar

 

 

 

 

Dra. Simone van de Sande Lee
Doutora em Clínica Médica pela UNICAMP
Médica Especialista em Endocrinologia e Metabologia
Prof. Endocrinologia – UFSC

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *