SOU DIABÉTICO! PRECISO RECEBER A VACINA DA GRIPE?

 

A influenza (gripe) é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém‐contaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.

As pessoas com diabetes (DM), ambos tipo 1 e tipo 2, estão em maior risco de problemas graves de certas doenças que podem ser prevenidas com a vacinação adequada. A decisão para recomendar uma vacina envolve a avaliação dos riscos da doença, os benefícios da vacinação e os riscos associados à sua realização.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que a influenza (gripe) acomete 5 a 10% dos adultos e 20 a 30% das crianças, causando 3 a 5 milhões de casos graves e 250.000 a 500.000 mortes todos os anos.

Embora existam estudos limitados relacionados com a gripe, especificamente em pessoas com diabetes, os dados atuais evidenciam que a vacina anti-influenza está associada com redução do risco de morbidade, hospitalização (até 79% durante as epidemias do vírus), admissões em unidade de cuidados intensivos e mortes em idosos com diabetes, além de reduzir os gastos com o DM.

A recomendação do Ministério da Saúde, em conjunto com as demais sociedades científicas, indica a vacinação contra gripe para TODAS as pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissivas INDEPENDENTE da idade. Sendo assim, TODOS os pacientes diabéticos (ambos tipo 1 e tipo 2) DEVEM receber a vacina da gripe.

 

MarceloRo

 

 

 

 

 

 

Por Dr. Marcelo Fernando Ronsoni

Médico Especialista em Endocrinologia e Metabologia em Florianópolis
Centro Catarinense de Endocrinologia e Metabologia

1 responder
  1. coupon codes
    coupon codes says:

    Prezado Marcelo Pedro, muito obrigado pela sua leitura e pelo comentário. Como você colocou, o fato de um produto ser “natural” ou “de plantas” não significa que não tenha efeitos danosos e é um bom exemplo de que o uso de MCA deve ser feito de forma cautelosa. Em particular naquelas práticas pouco estudadas. Existem atos que podem ser prejudiciais ou perigosos para a saúde das pessoas se não forem realizados por médicos, e o diagnóstico nosológico foi regulamentado na  Lei do Ato Médico como atividade privativa do médico. A acupuntura é uma técnica e instrumento terapêutico de medicinas tradicionais do oriente. Sua incorporação e regulamentação no Ocidente não tem sido feita de uma maneira uniforme. A Slow Medicine salienta  a importância da abordagem multidisciplinar na assistência à saúde, sempre que possível fundamentada em evidências científicas e buscando constantemente o cuidado de qualidade e individualizado.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *